VIH: Que soluções para as populações vulneráveis?

data Publicado em 01/06/2022

O não envolvimento de populações vulneráveis em programas de VIH/SIDA é uma realidade na África Ocidental e Central. Muitos não têm acesso a tratamento anti-retroviral. Isto deve-se a uma série de factores: políticas públicas fracas ou quase inexistentes para este segmento da população, estigmatização, indisponibilidade de cuidados de saúde em certas zonas de conflito, entre outros. Todos estes problemas levaram o Instituto da Sociedade Civil para a Saúde na África Ocidental e Central a levantar a sua voz para ser ouvido pelos decisores e doadores. Reunidos na Praia, estes actores acreditam que a situação precisa de ser rectificada. É uma questão de saúde pública e de respeito pelos direitos humanos.

Em primeiro lugar, para estes actores da sociedade civil, há necessidade de uma melhor compreensão destas questões a fim de adaptar a resposta. Isto significa abordar os factores políticos, legais, de segurança e socioculturais na região, melhorar a recolha, análise e utilização de dados para programas mais eficazes, e ter modelos de programas que satisfaçam as necessidades das populações mais em risco em diferentes contextos. Isto reforça as soluções e recomendações feitas pelos peritos técnicos no final da reunião realizada na Praia em Março de 2022. O chefe de advocacia da Coalition Plus defende a eliminação de conceitos que se interpõem no caminho e a adopção de terminologia apropriada. Segundo ele, a região deve aprender com as lições do passado e popularizar ainda mais os avanços científicos que devem ser acordados. Para tal, o envolvimento de actores a nível comunitário e a definição de modalidades práticas de cooperação com os media são importantes para desconstruir discursos que exponham as populações vulneráveis. 

O director do programa do Centro de Saúde Pública e Direitos Humanos da Universidade Johns Hopkins defende o aumento da segurança comunitária durante a recolha de dados. A disponibilidade de dados ajudará a refinar soluções para populações vulneráveis. Os jovens não serão deixados para trás. Os parceiros técnicos e financeiros são chamados a facilitar os seus cuidados. No entanto, estes actores da sociedade civil não deixaram de sublinhar a responsabilidade dos vários Estados na realização dos objectivos estabelecidos. Na quarta-feira,1 de Junho de 2022, procurarão as soluções mais adequadas para melhores cuidados para as populações vulneráveis em programas de combate ao VIH na África Ocidental e Central. O objectivo é construir ecossistemas de saúde que funcionem para todos, desenvolver novas parcerias entre o governo e os sectores comunitários para as populações vulneráveis e os esquecidos na resposta ao VIH. 

Partilhar